quinta-feira, 5 de março de 2009

SETE

Primeiro estava com falta de motivação para escrever. Depois pensei em escrever sobre o Vaticano. Então me ocorreu a ideia de escrever sobre o Príncipe Faudel e, comecei recolhendo dados. Mas ao assistir os noticiários televisivos desta noite a indignação falou mais alto e me impeliu a botar os dedos no teclado e deitar para fora a infame denúncia.

Neste país que se debate com uma profunda crise económica, em que todos os dias fecham empresas por falência, atirando para o desemprego milhares de funcionários, quase todos com salários em atraso. Onde uma das principais empresas exportadoras ameaça fechar e deixar no desemprego mais um milhar de trabalhadores.

Num país em que o cidadão comum se debate para manter com dificuldade os seus compromissos financeiros, retirando no orçamento da alimentação verbas para satisfazer as crescentes dívidas. Em que cada vez mais há os chamados novos-pobres, que são pessoas empregadas mas que não ganham o suficiente para suportar as despesas do quotidiano.

Num país em que o consumo decresce em todos os sectores, inclusivamente no automóvel, revelando a incapacidade do cidadão comum manter os seus níveis de vida normais. Eis que oiço a jornalista informando que apenas nestes dois (DOIS) primeiros meses do ano já se venderam 7 (SETE) Ferraris em Portugal. No mesmo período do ano passado apenas 2 (DOIS) Ferraris haviam sido vendidos.
Marcas como a Bentley e a Aston Martin não apresentam ainda algum decréscimo nas vendas.

!!!...!!!...!!!

Afinal onde está a crise? Afinal parece que a crise é benévola para alguns. Normalmente os parasitas são os que mais proliferam em ambientes de caos.

É o fim da ética, do pudor, da solidariedade. 

É o fim da vergonha!!! 

A sociedade da ganância no seu melhor!!!

3 comentários:

Serginho Tavares disse...

É sempre assim
A crise só afeta os pobres e é uma pena, mas isso infelizmente é no mundo todo!










[te amo]

São disse...

Mas não foi a crise provocada por essas craituras abjectas - e abençoadas pelo Vaticano!! - que agora compram carros de tipo de gama das marcas mais caras?!

Qual o espanto?!

Fico esperando notícias.
Beijos.

O Intelectual Distraído disse...

Existem certos tubarões que nunca serão afetados, antes ganham com a crise.

Os que continuam, vergonhosamente, a pactuar com offshores e segredos bancários.
Enquanto assim fôr, haverá sempre um desiquilibrio entre classes.

Os novos pobres são a nova classe, a crescer dia a dia, neste Portugal dito de brandos costumes.
É preciso pensar!
É necessário tomar atitudes!

O desemprego cresce assustadoramente, fábricas a fechar, patronato a "roubar", a enganar os trabalhadores. Safo-me eu, eles que se lixem.

É a lei do mais forte. A vergonha. Um governo sem Memória Histórica, sempre inocente.
Vejamos o caso Freeport. Mais um mês, talvez mais mês e meio...e não haverá culpados.

Tudo limpo, tudo "uma completa injustiça", culpa dos partidos de esquerda. Mas, pergunta-se: não é o partido do Governo um partido de Esquerda?

Aí é que está o busílis: Parece. Não É. Nunca FOI. O governo do Sócrates nunca foi um governo para o povo ou pró trabalhadores. Uma encenação macabra. É um Governo governado pelos altos interesses do capitalismo.

Crise, qual crise? dizem "eles". Eles. Os mesmos de sempre.

Valeu!