sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

O LADRÃO DAS LÂMPADAS


Pode parecer caricato até, mas de facto leva a crer que estamos perante um caso de furto especializado. Ele vem de madrugada, salta os muros, driblando os cacos e farpas aguçadas que tentam ser uma barreira ameaçadora, e uma a uma vai recolhendo dos casquilhos todas as lâmpadas das garagens dos prédios da rua. No bairro já se tornou famoso pela sua especialização, pois ao que consta não surripia mais nenhum tipo de objectos, tão pouco tenta forçar os carros estacionados nas garagens. O seu modus operandi já está tão rotinado que nem chega a verificar se alguns portões estão mesmo trancados, ou se abririam tranquilamente sem forçar, pelo que ele continua a saltar muros, fintando cães de guarda em alguns dos prédios, com a mesma agilidade de quem guarda muito treino nos gestos e nos membros.
O que ele faz com as lâmpadas surripiadas diligentemente, não sei. Certamente as venderá, pois lâmpadas fluorescentes de baixo consumo são caras – pelo que os vizinhos do prédio ao lado, já trataram de substituir todas pelas velhas lâmpadas incandescentes. O que ele fará com o dinheiro da venda, não sei: pode ser para comprar droga, ou para comprar remédios para a avó que está esclerosada (nem sei se a tem). Mas, depois de constatar a sua acção ardilosa e alguns dos seus contornos pitorescos, acabei por dedicar alguma simpatia ao ladrãozinho de bairro. Afinal, embora eu tivesse receado em interpelá-lo, quando testemunhei a sua faina em directo, pelos relatos posteriores acabei por criar um perfil mais humano e justo, ao invés da rejeição rancorosa do primeiro impulso: ele fez-me lembrar os românticos ladrões de Genet, no seu jeito contido e não desmedido. Num mundo onde a roubalheira domina os mais altos cargos de influência e onde o crime violento aniquila e condena a vida de tanta gente impotente e vulnerável, um pequeno ladrão de lâmpadas torna-se quase uma figura aceitável.

domingo, 15 de novembro de 2015

AGIR OU NÃO AGIR


Há catástrofes, acidentes e solidariedades. Há mobilização popular em torno de vítimas e sobreviventes. Mas o que se passa com a situação dos recentes atentados terroristas em Paris vai além do simples episódio funesto de quem por ele foi directamente atingido e a solidariedade daqueles que se compadecem com o infortúnio alheio. O hediondo episódio de 13 de Novembro passado, é mais um lance duma estratégia vil de provocar um conflito global de proporções inéditas na vil histórica bélica da humanidade. O caso aqui não é tão somente o número de vítimas ou a localização geográfica do hediondo evento, mas a vontade deliberada de provocar e atiçar males e calamidades maiores.
Toda a estratégia de actuação desse grupo criminoso é a deliberada provocação dum conflito bélico em nome duma pseudo-guerra inter-civilizacional-religiosa. Mas religião é o que menos está em questão em toda esta infâmia. O mais hediondo em todo este processo demoníaco é a mesquinhez pura de infligir dor e sofrimento pelo simples prazer de provocar terror; puro e simples terror. 
Veja-se como todos os métodos e alvos usados e visados em seus actos, são propositadamente escolhidos para ofender e ferir o que de mais sagrado e elementar há na filosofia de harmonia, liberdade e respeito pela vida em que se alicerça a civilização actual. Princípios tão veementemente defendidos pelas grandes nações relevantes da actualidade, de Norte a Sul e de Leste a Oeste. Note-se: estádio onde decorria um jogo de futebol, uma sala de espectáculos onde decorria um show musical, restaurantes e bares a esmo, onde as populações desfrutavam do lazer após uma semana de trabalho, tudo referências da cultura e modo de vida comuns à nossa civilização contemporânea, estes no caso recente em Paris; mas também sítios históricos de referência global, que testemunham o evoluir da civilização humana; execuções sumárias por decapitação sanguinária; defenestração, desde o topo dos prédios mais altos, de homossexuais; tudo exibido ostensivamente em vídeos distribuídos por todos os meios de comunicação, para se propagarem e causarem o maior efeito de repulsa e horror; além de outros procedimentos quotidianos repugnantes como o aliciamento de jovens do sexo feminino que são depois sequestradas e forçadas à escravidão sexual) Revelam apenas o imundo desejo de provocar um incomensurável e gratuito conflito global, para depois ficar desfrutando do vil espectáculo do sangue e miséria avassalando tudo e todos.
É isso que leva todos a aderirem a gestos simbólicos (como troca de fotos nos avatares dos perfis e partilha de apelos solidários) nas redes sociais da internet. A rejeição dum clima de terror e da ameaça duma guerra estúpida e global. A questão não é a identificação com os franceses, nigerianos, filipinos ou paquistaneses, sejam quem forem... mas o reconhecimento duma ameaça explícita e contínua ao nosso modo de vida e princípios morais em que baseamos a harmonia do nosso existir e coexistir, pacífico e fraterno.


terça-feira, 6 de outubro de 2015

1957





A minha mãe sempre ansiara ter um filho varão, mas das duas gravidezes anteriores nasceram raparigas. Decepção! Mulher prática e pragmática, para ela era melhor prevenir do que remediar.

1957. O sexo do feto era um mistério envolto em expectativas até ao momento do parto. Não havia nenhuma dessas tecnologias que agora permitem observar o crescimento da nova vida que se forma no útero. Não gostando de se expor a riscos fora de controlo, ela optou pela melhor solução: aborto.

Eu?! Eu nem era ninguém ainda. Apenas um feto escondido, crescendo que nem um tumor. Não passava dum imprevisto muito duvidoso e que poderia tornar-se igualmente um futuro inconveniente. Portanto, cortar o mal pela raiz! 

quinta-feira, 20 de março de 2014

O MACAQUINHO DO CIRCO



Sou eu! O português, o gringo (como aqui chamam aos estrangeiros), o forasteiro. Exibido como uma curiosidade, por alguns com arrogante escárnio disfarçado, por outros como troféu chique invejado, e também como uma futilidade charmosa, para ser logo esquecido e ignorado... descartado. Num meio de gente insegura e receosa, qualquer anomalia fora do padrão rígido determinado pelos tabus, é motivo de desconfiança. Grande desconfiança.

Saudado e acolhido com uma afabilidade imediata (mas não espontânea), essa mesma se esvai na primeira oportunidade de ser confrontado com um passado histórico mal aprendido e, interpretado com rancores seculares, alimentados por uma ignorância ostensiva.

Não tenho nome. Como gringo não mereço. Sou designado pela minha proveniência: “o português”. É mais fácil, para manter distâncias. Para me manter fora da esfera de intimidades. Afinal estrangeiro é um corpo estranho, que deve ser mantido sob observação e escrutínio constante. Tudo que faça de correcto “é porque estou assimilando a influência do meio em que agora vivo”, enquanto tudo que faça de errado “é a prova de que carrego em mim tudo o que de desprezível o colonizador histórico é acusado”.

O macaquinho do circo, que tem que ser domado e amestrado. “Para viveres cá tens de aprender a ser como nós!” Ou seja, perder a minha identidade, a minha individualidade. É, e continuará assim.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

ABORTO


Toda a gente tem opinião sobre o aborto. Ou pretende ter. Todos dão os seus vaticínios, apoiados em pressupostos morais/religiosos ou científicos. Todos clamam pelo direito à vida. Todos reclamam o direito da mulher ou do divino. Mas não oiço ninguém falar sobre o direito do feto. Ainda não vi ninguém dar a voz ao feto; escutar sobre o que ele tem a dizer e qual o seu parecer sobre uma decisão que, acima de tudo, o envolve a ele e da qual depende toda a sua existência e o seu futuro; senão mesmo a sua dignidade humana.

Eu nasci. Eu era um feto condenado ao aborto e nasci. Por isso me sinto mais no direito de falar em causa própria que todos os outros! A minha é a opinião da experiência vivida no antes e no após. Opinião livre de moralismos e dogmas, pretensamente piedosos de religiosos fanáticos e outros ignorantes afins.

A vida do feto nada tem de religioso ou transcendente, pelo que a religião deve se calar de dar pitaco sobre o que não lhe cabe. O feto tem consciência! O feto sente! O feto tem existência emocional! O feto tem alma!

O feto comunga das emoções da mãe. Têm mais a uni-los que apenas o cordão umbilical. E isto deveria ser do conhecimento daqueles que, embora se digam religiosos, pouco parecem saber de espiritualidade. Os medos e preocupações da mãe são partilhados pelo feto. E do mesmo modo as decisões que a este dizem respeito.

Foi através da memoria dessa partilha que eu vim a saber que a minha mãe estava disposta e determinada a abortar, quando percebeu que estava grávida (de mim, no caso). E também assim senti, ao longo do tempo que permaneci no seu ventre, a rejeição e as dúvidas que ela tinha por mim. Não, eu não era a sua primeira gravidez; tenho duas irmãs mais velhas.

Nasci porque o meu pai, movido do seu catolicismo, cristianismo, puritano, moralista, se opôs ao aborto, pelo que a minha gestação foi uma luta constante de sentimentos e emoções antagónicos, em que eu sentia o quanto era indesejado e disputado. E de todo esse conflito, ficou a matriz de conflito interno que me marcou para toda a vida. Sempre vivi com o estigma, em forma de sentimento de rejeição, que nenhum psicólogo pode apagar. Sempre me senti rejeitado! Não há amor ou dedicação que consiga apagar essa chaga em mim. Sempre me senti desesperadamente só e disputado, sem que alguém me escutasse.

Não, a culpa não foi da minha mãe. Ela estava no seu pleno direito de não querer ter mais um filho; mais uma dúvida. A culpa não foi de ninguém, senão mesmo dum moralismo cruel e desumano! Se me perguntarem se eu preferia ter nascido ou a minha mãe ter-me abortado, eu sempre responderei: ela deveria ter abortado!

Tive uma vida plena de experiências e aventuras; algumas nem tão felizes. Mas preferia ter nascido de outras condições e não por mera teimosia e combinação de acordo de interesses. Se não tivesse nascido desta, teria tido outra oportunidade de vir ao mundo, sob outras condições e com outros propósitos. O meu quinhão de vida não se perderia naquela chance. Como entidade espiritual, eu teria liberdade de escolher outro momento para voltar à vida entre os demais neste mundo. Nascer por direito próprio e não por egoísmo alheio.

Por isso meu lema será sempre: Deixem a mãe e o feto decidirem sobre eles mesmos!


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

16A



Dezasseis anos. Calmo, estudioso, afável. Filho duma família harmoniosa de classe média alta. Aluno regular e com notas boas. A mãe, zeladora, queria mais. Esperava que o sucesso escolar do filho fosse uma porta aberta para uma carreira brilhante. Exigia.

O jovem exasperou-se. Reacção comum aos adolescentes. Discutiram. Ele pegou numa faca sobre o balcão da cozinha e agrediu a progenitora amada. Ela fugiu para o quintal. Ele foi atrás e arrastou-a para dentro, acabando de esfaqueá-la com ferimentos fatais.

A polícia foi chamada, pelos vizinhos alertados pela inabitual gritaria. Encontraram a mulher jazente e o filho, por ela denunciado no seu último estertor, de banho tomado, escutando música tranquilamente no seu quarto.

Esta história é verídica. Não interessa quem eram, nem onde ocorreu. Não vem ao caso sobre o que quero falar. Os dados que forneci são suficientes. 

Somos humanos. Somos impelidos por instintos e sentimentos. Ser educado, ser civilizado, ter sentido cívico é saber controlar ambos: instintos e sentimentos. É isso que se espera para podermos viver em sociedade.

Antes de exigir metas a família tem de ensinar limites às crianças. NÃO é uma palavra muito frequentemente esquecida no diálogo entre pais e filhos, mas deveras fundamental. Um NÃO e um SIM na altura certa são o modo mais correcto das crianças entenderem as regras do jogo que é viver em sociedade.

Durante a adolescência os jovens vivem um turbilhão. São hormonas de crescimento acelerado, pressão para que encontre o seu lugar e estatuto na sociedade, ansiedade emocional para entender toda uma avalanche de novos sentimentos que em si despertam, avassaladoramente desafiadores. Não sabem lidar com isso tudo e o prazo é para ontem. A agressividade e crueldade primárias, comuns na infância, por vezes ainda não foram controladas, domesticadas. É o momento de adquirir as ferramentas que lhe confiram o direito de ser considerado um ser humano sociável, com os deveres e direitos que tal implica.

De modo nenhum podem ser desresponsabilizados pelos seus actos. Mesmo sem haverem adquirido completamente o necessário saber de como controlar os seus impulsos, eles têm noção da gravidade de possíveis comportamentos nocivos. Não são inocentes destituídos de consciência. Devem responder pelos seus comportamentos, com rigor e justiça. Devem assumir as penalizações que lhes possam decorrer dos seus actos nocivos, assim como seriam premiados pelos seus sucessos louváveis.

Imagem: "Hoodie Stab" de Banksy

domingo, 20 de outubro de 2013

O PROBLEMA



Não! Não é o dinheiro! O problema, o mal, é a ganância desmesurada, por trás dos grandes interesses empresariais. O problema é as pessoas não entenderem que o dinheiro é um veículo de interacção e relacionamento humano.

Quando os governantes se deixam manipular pelo empresariado, numa perspectiva eleitoralista, convertendo a política e governação, num mero jogo de interesses corporativos, então o povo está votado à miséria duma existência ignóbil e a memória da nação é descartada como lixo.

Em pleno século XXI, depois do advento das ciências e de todo o saber e conhecimento que elas aportam, ainda continuamos a ser governados por ideologias abstractas, que se digladiam sem o mínimo respeito por aqueles que dizem representar e defender.