terça-feira, 17 de maio de 2011

A CENA DO DOG E DA PITA

Tás a ver uma dama com um gorro vermelho? Yah, essa cena! A pita foi obrigada pela kota dela a ir à toca da velha levar umas cenas, pq a velha tava a bater mal, tázaver? E entăo disse-lhe: 



- Ouve, nem te passes! Népia dessa cena de ires pelo refundido das árvores, que salta-te um meco marado dos cornos para a frente e depois tenho a bófia à cola! 



Pá, a pita enfia a carapuça e vai na descontra pela estrada, mas a toca da velha era bué longe, e a pita cagou na cena da kota dela e enfiou-se pelo bosque. Népia de mitra, na boa e tal, curtindo o som do iPod...
 É entăo que, ouve, salta um baita dog marado, todo chinado e bué ugly memo, que vira-se pa ela e grita: 



- Yoh, tá td? Dd tc? 



- Tásse... do gueto alí! E tu, tásse? - disse a pita 



- Yah! E atăo, q se faz? 



- Seca, man! Vou levar o pacote à velha que mora ao fundo da track, que tá kuma moka do cara#! 



- Marado, marado!... Bute ripar uma até lá? 



- Epá, má onda, tásaver? A minha cota năo curte dessas cenas e pőe-me de pildra se me cata... 



- Dasse, a cota năo tá aqui, dama! Bute ripar até à casa da tua velha, até te dou avanço, só naquela da curtiçăo. Sem guita ao barulho nem nada. 



- Yah prontes, na boa. Vais levar um baile katéte passas!!! 



E lá riparam. Só que o dog enfiou-se por um short no meio do mato e chegou à toca da velha na maior, com bué davanço, tásaver? Manda um toque na porta, a velha 'quem é o camano?' e ele 'ah e tal, e năo sei que, que eu sou a pita do gorro vermelho, e na na na...', a velha abre a porta e PIMBA, o dog papa-a toda... Mas mesmo, abre a bocarra e o camano e até chuchou os dedos... 



O mano chega, vai ao móvel da velha, saca uma shirt assim memo á velha que a meca tinha lá, mete uns glasses na tromba e enfia-se no VL... o gajo tava bué abichanado memo, mas a larica era muita e a pita era à maneira, tásaver? 

 A pita chega, e tal, e malha na porta da velha. 



- Basa aí cá pa dentro! - grita o dog. 



- Yo, velhita, tásse? 



- Tásse e tal, cuma moca do camâno... mas na boa... 



- Toma esta cena, pa mamares-te toda aí... 



- Bacano, pa ver se trato esta cena. 



- Pá, mica uma cena: pa ke é esses baita olhos, man? 



- Pá, pa micar melhor a cena, tásaver? 



- Yah, yah... E os abanos, bué da bigs, pa ke é? 



- Pá, pa poder controlar melhor a cena à volta, tásaver? 



- Yah, bacano... e essa cremalheira toda janada e bué big? Pa que é a cena? 

 -

- É PA CHINAR ESSE CORPO TODO!!! GRRRRRRRR!!!! 



E o dog manda-se à pita, naquela memo de a engolir, né? Só que a pita dá-lhe à brava na capoeira e saca um back-kick mesmo directo aos tomates do man e basa porta fora! Vai pela rua aos berros e tal, o dog vem atrás e dá-lhe um ganda-baite, pimba, memo nas nalgas, e quando vai pa engolir a gaja aparece um meco daqueles que corta as cenas cum serrote, saca de machado e afinfa-lhe memo nos cornos. O dog kinou logo alí, o mano china a belly do dog e saca de lá a velha toda cheia da nhanha. Ina man, a malta a gregoriar-se toda!!! 

E prontes, já tá...

Fátima Lousão Monteiro.

11 comentários:

Paulo Braccini disse...

OMG! formidável isto mas sacia a ignorância do macaco ... que idioma é este? rs

Serginho Tavares disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
os portugueses inventaram outra língua!
adorei

Junnior disse...

G-zuis! Juro que tentei entender.
Bj.s

Paulo Braccini disse...

Sua explicação foi tão interessante qto a versão do conto ... adorei ... obrigado Man ...

Wanderley Elian Lima disse...

kkkkkkkkkkkk, não entendi, mas gostei.
Bjão

Cores da Crise de meia idade! disse...

Chapeuzinho Vermelho pra mano nenhum botar defeito! Kinei!

Lobo disse...

Porque português brasileiro e português de portugal é tão diferente, meu Deus?! Hahaha

Cores da Crise de meia idade! disse...

Confesso....O Sr. Man me entende!

São disse...

Por favor, não me digas que é assim que os jovens agora "falam "!!!

Já não sobra o bendito Acordo?!

Vou ter pesadelos!!

Um beijo

euamoumturco disse...

Dá pra entender só porque já conhecia a história de antemão.

Me interessei na compreensão do texto mas precisei de esforço e muito tempo, já que contém tanto estrangeirismo e gíria.

Ai, a idéia é boa, mas me entristece ver esses modernismos num conto tão clássico...

Espero que nunca cheguemos a esse ponto realmente!

Beth/Lilás disse...

Man,
Que incrível este texto, nem parece português. Olha que eu conheço muito bem os patrícios e o seu jeito de falarem, mas em texto assim, nunca vi.
Legal! Ou melhor, muito giro!
bjs cariocas