terça-feira, 26 de abril de 2011

NÓS, EM DEPRESSÃO

A depressão é uma doença! Não é um estado frívolo de afectação de humor.

O amigo que não me responde, como se não me reconhecesse, como se não me visse, como se eu não existisse. O quarto que se fecha hermético em muros inquebráveis, aprisionando-me a mim e aos medos e incompreensões que habitam em mim e comigo convivem.

A tentativa desesperada de deixar um rasto, uma prova, da intolerância e incompreensão dos outros, que riem e ignoram ostensivamente o drama de quem não consegue a voz de se fazer ouvir; porque da fala nada sai e aos ouvidos nada chega. A prova de que existo, a prova de que luto, a prova de que estou aqui, com vontade de viver, com vontade de ganhar o espaço e o tempo que me são devidos. A prova de que não desisto da vida, embora seja o ímpeto mais fiel e presente e premente no meu íntimo, o de que ela cesse logo e com o seu fim todo o tormento que é cada ínfimo momento duma existência de horrores internos.

A luta desesperada que é manter viva a prova do atentado que a coarctação do meu direito à cura é. Eu quero me tratar! Eu quero me curar! Eu quero libertar-me das grilhetas infames que me privam do mais básico e divino direito de me viver a mim e à minha vida em pleno! Eu quero ser eu! Quero o pleno usufruto da minha vida e da minha pessoa, sem limites, sem fobias, sem fúrias!

É o caso da frieza e frivolidade de alguns “médicos” que me acusam de ser um dependente de fármacos e querer levar a vida me iludindo com medicamentos quando, na sua criminosa ignorância, bastaria eu sair de casa e dar uns passeiozinhos para ficar curado.

Estou cansado!

Não é uma questão de tomar um medicamento ou não. É toda uma vida perdida! Uma vida perdida para a falta de ânimo, para a completa ausência de motivação e mobilização, mesmo para encetar e concluir as mais insignificantes tarefas do quotidiano.

Mesmo coisas tão simples se tornam, ridiculamente, imensos desafios de vida, como, por exemplo, o simples facto de sair do quarto e atravessar a casa para ir lavar o rosto pela manhã, tendo de enfrentar os restantes membros da família, é uma prova de vida e coragem. Sim, enfrentar, pois o simples facto de me apresentar perante alguém é um acto de desafio a todas as fobias que roem o ânimo, a alma, continuada e implacavelmente, sem tréguas. O banal acto de atender um telefonema é uma épica luta travada entre esconjuros e imprecações, resistindo a ganas colossais de reduzir o pequeno aparelho a cacos e pó.

Acham que isto é viver? E depois ainda me vêm dizer: sai de casa e vai dar uma volta. Como se a intenção de enfrentar a rua (E TODO O MUNDO LÁ FORA) não fosse o maior dos tormentos!!! Se até para sair do quarto eu tenho de me pontapear e atirar porta fora... como se faz a uma nojeira abjecta!

8 comentários:

São disse...

Deixas-me de alma negra, meu querido .

Não gosto de te ver assim!

Estás de novo em período mau e vais ter que lutar, como sempre fizeste, contra essa neblina que , por vezes, tanto se adensa e cobre a tua vida.

É muito triste não poder estar contigo fisicamente, mas sabes que te acompanho espiritualmente sempre.

Irmão e Amigo, te abraço longamente e te transmito toda a força do mundo.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá menino
Sinceramente não sei o que lhe dizer, tudo cairia no lugar comum. Deve ser uma barra, se cuide.
Bjão

Serginho Tavares disse...

Sabes que sempre podes contar comigo para enfrentar esta batalha!

Amo te sempre

Mari disse...

É triste...O psquiatra que não demonstra interesse no tratamento e resolução do caso é a mesma coisa que um nada.

Não é porque vc não é médico que não entende como funciona o seu tratamento. Como paciente se informa,sabe e tem direito de opinar no próprio tratamento.

Infelizmente para ser bem atendido precisa-se pagar muito neste país.

Entendo seu desabafo, amigo. Mas não desista de procurar outro médico, mesmo que na rede pública,quem sabe vc não encontra uma alma iluminada que possa finalmente te entender.Continue lutando!

Não nos conhecemos pessoalmente, mas acredite,quero te ver bem!

Fique em paz.

Lobo disse...

Existem diversos estágios de depressão. Alguns mais brandos, outros mais severos. Nem todos são passiveis de serem resolvidos sozinhos, mas as vezes pessoas conseguem reverter casos extremos com pura força de vontade.

Mas cada caso é um caso. Fica bem.

Paulo Braccini disse...

Querido tenha em mente q são apenas fases e momentos da vida! Como todas as outras, inclusive as boas, elas passam ... te cuida e fica bem ...

Hürrem disse...

Amigo ManDrag,
Desejo de todo o coração que saias dessa logo! Sei que alguns tipos de depressão não tem cura, mas podem ser abrandadas. Fique bem, minhas preces estão contigo. Abraço fraterno

Diogo Didier disse...

Não sou especialista da área, mas acredito que a depressão seja o acorrentamento de algo que nos atormenta e que não conseguimos identificar...Por isso, minha única sugestão é que vc se liberta de qualquer mal q te afringi e procure ser feliz...

Lembre-se: SER FELIZ É SER LIVRE!

bjoxxxxxxxxxxxx meu amigo! fique bem!