domingo, 13 de junho de 2010

DUAS MULHERES

Duas mulheres alinham-se para a corrida eleitoral à presidência do Brasil. Serão elegíveis numa sociedade latina de perfil machista?

O facto de duas mulheres se candidatarem a um elevado cargo político num país não é indicador duma completa emancipação da mulher na sociedade que as integra. Seria pura ilusão pensar que isso significaria que a mulher tem um estatuto de igualdade com o homem na sociedade brasileira.

Enquanto no quotidiano, no lar, em família, houver papeis, tarefas e lugares para mulheres e homens, não há uma igualdade de estatutos. Velhos hábitos e conceitos (preconceitos) ainda subsistem fortemente arreigados no pensamento brasileiro e nas tradições. Enquanto expressões como “uma mulher tem de saber qual é o seu lugar”, “uma mulher não pode fazer isto, ou aquilo”, “isso é tarefa de mulher”, forem regra a sociedade mostra que não soube evoluir e se contemporizar.

“O Brasil é conhecido por ser um pais de mulheres bonitas” é uma expressão que mostra bem o chauvinismo da sociedade brasileira. Mesmo quando são as próprias mulheres que assumem essa ideologia. A mulher que se molda ao ideal de beleza dos machos. A mulher que afirma que o seu objectivo maior na vida é casar. Tal como serem elas as primeiras a sair em campo criticando alguma sua congénere por ter ousado desafiar os padrões e tomar liberdades apenas consentidas aos homens. Tudo isso são indicadores do atraso ideológico duma sociedade que ainda se deixa regrar por padrões obsoletos imbuídos do mais boçal chauvinismo.

As sociedades de perfil latino mantêm um pensamento retrógrado. Mas embora sejam as mais resistentes à mudança, no nosso mundo ocidental, não são únicas. E por muitos factores aferidos nos novos meios de comunicação e formação, fica a impressão que as novas gerações não se apresentam tão revolucionárias como se esperaria. Muitos sectores de jovens assumem até posturas incrivelmente reaccionárias.

4 comentários:

Serginho Tavares disse...

É uma pena que num país tão imenso como o Brasil a própria mulher ainda se rebaixe!

O texto está tão bom que ficou com gosto de quero mais.
Aliás, quero mais!

Beijos

Hürrem disse...

Mandrag excelente texto! Vc disse realmente tudo o que acontece em nossa sociedade com relação as mulheres, embora ninguém admita publicamente isso. É como a questão do rascismo, todo mundo diz que no Brasil não somos racistas, o que não é verdade, pois o brasileiro é rascista com relação ao negro e o negro também é rascista com relação ao branco...Ou seja, tudo ocorre como sempre de uma forma velada. Um abraço

Mari disse...

A Marina(morena), mulher séria, não tem nem chances mesmo de ganhar.

Pois é, no Brasil tem muito machismo mesmo. A menina, desde pequena, aprende a ser sensual. A sambar de um jeito mais sexy, e todo mundo que vê uma criança dançando assim, acha bonitinho.

Tudo tem limite,sabe. Eu concordo que devemos ter liberdade de expressão, mas abusar desse direito faz com que fiquemos presa a uma imagem não muito adequada. Eu apoio a liberdade de expressão/ liberdade sexual da mulher.

O problema é que já na juventude,a menina sofre pressão porque não beijou, porque não se veste "mais bonita". E do outro lado, os meninos, sofrem a pressão de ainda serem virgens, pois não "pegam mulher". Essa é a gíria dos jovens no Brasil para relacionamentos: "pegação".

Temos que rever nossos conceitos mesmo.

São disse...

Talvez haja uma surpresa! Talvez um raio de Luz ilumine quem vota! Talvez...

Um abraço com muitas saudades.