quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

OH TU!

O Sufismo é mais conhecido como a via mística do Islão. Contudo ele é proibido e perseguido em várias nações islâmicas por os seus preceitos irem contra a sharia. Mesmo em nações que utilizam o popular ritual Dervish de dança como uma atracção turística, a prática da filosofia sufi de autoconhecimento e identificação com o divino é proibida.

No seio duma religião racional na sua essência, o sufismo põe de lado a razão e exalta os sentimentos; a ligação a Deus pelo amor e pelo coração (por isso é conhecido como o Islão do Amor).

A intolerância que o sufismo sofre nos meios islâmicos (ainda nos dias de hoje praticantes sufis são perseguidos e mortos) é mais fácil de entender ao sabermos que não tem origem muçulmana, embora tenha crescido aliado ao islamismo que ajudou a disseminar (principalmente junto dos povos do oriente). Na verdade não se consegue determinar a origem dessa filosofia tão liberal e errática.

Essa prática conhecida como o Islão da inteligência, da tolerância e da busca do conhecimento, fica bem ilustrada no poema do místico egípcio Dhu’l-Nun al-Misri, que abaixo transcrevo e no qual se podem perceber as razões da desconfiança da ortodoxia islâmica em relação a tais estados de espírito.


“Morro, sem que no entanto morra em mim

O ardor do meu amor por Ti,

E o Teu Amor, meu único fito,

Não apaziguou a febre da minha alma.


Só ao Teu encontro o meu espírito lança o seu grito;

Em Ti repousa toda a minha ambição,

E no entanto a Tua riqueza está muito acima

Da pobreza do meu humilde amor.


Volto para Ti a minha prece

E procuro em Ti o meu último repouso;

Para Ti se eleva o meu surdo queixume,

Tu obsidias o meu secreto pensamento.


Um febre arde no meu coração

E assola-me de alto a baixo;

Ela destruiu a minha força e o meu apoio

E consumiu lentamente a minha alma.

Oh! dá-me então o Teu favor

Para que eu viva, assim assistido,

E por Ti supere sem custo

Os rigores da minha pobreza.”


Nota: Dedico este post às minhas amigas Hürrem e Mari, a viverem as suas aventuras de vida na Turquia.

5 comentários:

Leandro Cordeiro disse...

Concordo contigo! Um dos poemas mais lindos que li.
Digno!
Obrigado por compartilhar...

Hürrem disse...

Amigo ManDrag,
Lindo poema, adorei!
Obrigada pela homenagem e pelo comentário no meu blog. Realmente o sufismo é uma filosofia que muito tem a nos ensinar, sempre de forma misteriosa e poética. Abraços com amizade

Serginho Tavares disse...

Que poema maravilhoso meu amor! Lindo, forte, delicado...

Beijos

Diogo Didier disse...

Sempre compartilhando conhecimento! Eu não conhecia o Islão e fiquei superestigado com o seu texto. É tão complexo falar de filosofias religiosas no meio de tanto extremismo neh?!

Enfim, religião a parte, venho te desejar um EXCELENTE NATAL, bem como um 2011 repleto de reflexões e textos como esse, cheios de conhecimento e cultura!

bjoxxxxxxxxxxxxxxxxx querido!

Arierom Salik disse...

Não buscamos o Caminho, mas o Caminho que nos busca.
Excelente texto, simples e belo.

Parabéns!