domingo, 28 de novembro de 2010

CIDADE MARAVILHOSA

Eu amo a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Foi nela que eu pisei pela primeira vez solo brasileiro. Foi nela que o Brasil me acolheu nos seus braços.

A sua geologia é fascinante. Adoro passear-me nas ruas e avenidas do Castelo (o Centro) entre a Praça XV e a Avenida Rio Branco (o contraste dos edifícios clássicos com os modernos faz-me sentir como se estivesse na saudosa Europa). Subir ao Pão de Açúcar e desfrutar da maravilhosa vista tanto para o lado do oceano como para a Baía de Guanabara, é uma experiência que não se esquece jamais.

Mas o Rio de Janeiro não é uma cidade bonita e muito longe de ser maravilhosa. O Rio é muito mais que Copacabana, Ipanema, o Pão de Açúcar e o Redentor. É uma cidade imensa que se estende por infindáveis bairros feios e paupérrimos, de barracos sem reboco amontoados como vespeiros. Basta olhar para qualquer favela ou bairro de periferia para entender que, à semelhança do resto do pais, esta é uma cidade de profundas desigualdades e injustiça social.

Procurei aleatoriamente na net algumas imagens de bairros da desfavorecida Zona Norte do Rio. Aquela para a qual (segundo os seus moradores) até o Cristo do Corcovado volta as costas (a estátua está voltada de braços abertos para a Zona Sul, rica por excelência). São as imagens que nenhum operador turístico ou promotor oficial mostra. Como já uma brasileira me disse: são as imagens do Rio que ninguém mostra ao resto do país.

Mangueira

Jacarezinho

Vigário Geral

Madureira (não importa se os postes ainda estão lá ou não)

Manguinhos

Pavuna

Jardim América

Complexo da Maré

A esperança

8 comentários:

Serginho Tavares disse...

Olhando essas fotos eu fico me perguntando se ainda há esperança. Talvez ela exista, como você deixou claro, para o garoto da bola. Quem sabe ele consiga o mesmo sucesso que seu conterrâneo Ronaldo e escape de uma vida de miséria longe destes lugares horríveis aqui mostrados.

(pior é saber que são apenas alguns deles...)


Mais um excelente post
Beijos

António Rosa disse...

Há sempre esperança. Não sejamos nem os arautos do apocalipse, nem da bem-aventuraça. Talvez não seja na nossa geração, mas... só um mas... o Brasil é um dos maiores (o 3º creio) territórios nacionais em todo o planeta. Se nem Portugal, com uns míseros 11 milhões de habitantes e um território minúsculo, é sequer governável... À semelhança do tamanho do país, qualquer ocorrência no Brasil é em grande escala.

Abraço.

São disse...

Esperança, penso que há...mas a sua realização é que me parece extremamnet complicada.

Excelente a visão dada. Faz-me lembrar Cabo Verde e Egipto, com os seusn prédios inacabados e pessoas desocupadas e vans e um futuro taõ por cumprir.

Excelente domingo para v+os.

Glorinha L de Lion disse...

Amigo Man Drag, belíssimo post, real, verdadeiro em sua crueza. Que o menino e sua bola, recortada contra esse azul infinito, sejam o retrato da esperança da minha pobre e triste cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Admiro-te muito, caro amigo!Beijos, bom domingo!

Hürrem disse...

Outro dia conversando com a Mari, comentei com ela, que me entristece muito a situação do RJ, pois tem tudo para ser um lugar maravilhoso, nosso cartão postal de entrada no Brasil. Não sou carioca, mas realmente o Rio tem algo de diferente, pela sua geografia, por lembrar muito coisas de Portugal (embora eu nunca tenha estado em Portugal), por ser parte importante da nossa história e do nosso presente, mas infelizmente as autoridades e o governo brasileiro nada fazem para solucionar de fato esse grave problema do RJ, tudo não passa de pão e circus... e a esperança também não passa de ilusão, pois muitos dos que conseguem ter a oportunidade através do esporte, mais cedo ou mais tarde acabam se envolvendo no mundo das drogas, no mundo de onde vieram..realmente triste.. excelente post meu amigo. Um abraço

Beth/Lilás disse...

ManDrag, querido!
Tens razão, é tudo muito feio, muito confuso, lembra um Haiti alguns desses lugares.
As fotos não mentem, são a pura expressão da realidade, mas ...

Experimentemos olhar por trás de tudo isso, a geografia magnífica desta cidade. Veja que são morros, montanhas que eram recobertas de verde, nossa Mata Atlântica debruçada sobre os bairros e que foram tomadas nestes últimos 30, 40 anos, sem uma manifestação de nenhuma das partes, política, autoridades do poder público e tampouco os próprios moradores desses bairro que aceitaram esta invasão, por entenderem que uma cidade que sempre foi aberta a tudo e todos, não iria mandar embora aqueles que muito ajudaram a levantá-la e com estes entrou o tráfico, mantendo-os distantes da ajuda do governo, pois eles eram os comandantes desses locais. Ajudavam e ao mesmo tempo subjugavam e por isso, a educação não conseguiu chegar lá, portanto um total descontrole nestes locais sem ações sociais.
Eu não acredito ainda na resolução de tantos problemas, inclusive deixei lá no meu post sobre este mesmo assunto, um fechamento com o comentário do excelente jornalista Arnaldo Bloch. Passe por lá e confira o que ele falou.
abraços e Bem Hajas

Paulo Braccini disse...

Temos q ter esperança sempre ... pela primeira vez estou sentindo um pouco mais de confiança na ação das autoridades ... é pagar para ver ...

;-)

Clarice disse...

São imagens que poderiam ser de qualquer parte do mundo.
Uma curiosidade sobre as construções é que engenheiros de diversas partes do mundo vem estudá-las, uma vez que elas não tem qualquer lógica e não despencam.
Só quem viveu por mais de duas décadas sob a opressão desses bandidos pode avaliar o que será daqui por diante. Esperemos e cobremos.
Abraço.