quinta-feira, 18 de novembro de 2010

LES DANSEUSES BLEUES

Azul... o sonho, a pausa, a dança, a vida. O devaneio de querer ir além, alcançar as espirais superiores do ser.

Juventude... o anseio duma perfeição nunca alcançada. A intangibilidade duma felicidade que corre despercebida; tão intensa quanto fugaz. A busca dum delírio; mais quimera que paraíso. A beleza que se escapa nas pregas e meandros dum percurso sempre cego, feito duma cadeia de ininterruptos presentes; descontínuos na sua continuidade incompreendida. A vaidade duma película que Cronos reclamará em rugas e chagas dum percurso sofrido.

As ninfas... (e os faunos?). A pureza falsa, disfarçando a corruptibilidade duma glória encenada. O palco lustroso esquecendo as misérias da existência. A esperança dum idílio que nunca chega a maturidade; sempre meio-caminho de coisa nenhuma. A falsa promessa.

A glória do quase.



Nota: Este texto é a minha participação para o desafio de blogagem colectiva “Minha Ideia é meu Pincel” lançado pela amiga Glorinha L de Lion do Café com Bolo, inspirado no quadro “Les Danseuses Bleues” de Edgar Degas

17 comentários:

António Rosa disse...

ManDrag, excelente a sua visão. Muito bem retratado. Abraço.

«O palco lustroso esquecendo as misérias da existência.»

António

São disse...

Para assistir a um espectáculo de ballet, melhor ficar bem afastado/a do palco, rss rrss

Um enorme abraço.

Glorinha L de Lion disse...

"A gloria do quase..." não é essa a busca que nunca alcançamos durante a vida? Perfeito seu texto amigo Man Drag, reflexivo, sentido e sofrido. Como a vida. Beijos,

Socorro Melo disse...

ManDrag,

Excelente texto! Muito reflexivo.

"O palco lustroso esquecendo a miséria da existência"

Parabéns!
Socorro melo

pensandoemfamilia disse...

Expressivo e triste este seu olhar.
Vccoloca muito sentimento no que escrev.
Parabéns pela sua participação.

orvalho do ceu disse...

Olá, Mandrag
Gostei de ler o real do sentimento da maioria dos seres humanos retratados num post tão objetivo...
Estou indisposta hoje mas gostei de ver que o "quase" é o que dá perseverança na caminhada... Estou no quase... mas, a caminho...
Tenha paz e saúde
Abraços fraternais.

Serginho Tavares disse...

Mais um texto perfeito para essa linda inciativa de blogagem coletiva.
Parabéns meu amor! Lindo! Lindo! Lindo!

Beijos

Marli Borges disse...

Olá Mandrag!
Gostei do texto! Ótima participação. Bjssssss

Siala disse...

ManDrag...como sempre o ritmo que imprime nas palavras é único e de tirar a respiração!
Namasté

Beth/Lilás disse...

Oi, amigo!
Sou a última hoje a comentar e a fazer meu post, mas já está lá.
O teu, como sempre, belo e reflexivo.
um abraço carioca

Susana Vitorino disse...

Mandrag... ADOREI*

Obrigada por tão ricas imagens*

Um abraço

LUZ*

São disse...

Meu querido, quando fores lá a casa, visita as duas salas, sim?

Um bom dia para ti.

Mari disse...

Olá,amigo,retratou bem o espírito jovem. Todos já se sentiram assim,creio eu.
Abraços

São disse...

Regresso par te desejar um óptimo Dia do Homem, que se in augura hoje.

Apertado abraço, lindo.

Clarice disse...

A glória do quase e a decepção do sempre, que o tempo é inexorável, a não ser para as ninfas.
Abraço.

Hürrem disse...

ManDrag, cada texto teu participante dessa blogagem coletiva me deixa sem ser, me faz refletir ...."A intangibilidade duma felicidade que corre despercebida; tão intensa quanto fugaz"
Fiquei até sem palavras, só posso balbuciar um parabéns meu amigo!
Abraços

Malu Machado disse...

Olá, Andei sumida, mas vim conferir teu texto. Da semana passada !! Amanhã volto.

Gostei muito da sua leitura. O quadro transmite isso mesmo, uma eterna juventude, uma eterna ilusão.

Abraço,