quinta-feira, 16 de setembro de 2010

DIREITOS

Sem dúvida que todos têm direito a ter direitos. Mas quantos saberão o que são os seus direitos? E qual o preço (para si e para os outros) desses direitos?

Todos reclamam dos seus direitos, os adquiridos e os presumidos. Todos acham que liberdade é ter direito a tudo. Mas a ignorância leva a que se reivindique o direito à sua escravidão e dos outros. É um jogo viciado que acaba sempre a favor de quem está no poder: a classe dominante.

O direito a ter casa própria ou o direito a ser refém/escravo da instituição bancária que lhe emprestou o dinheiro (e que em verdade é o proprietário do imóvel)? E neste se inclui o direito a ter carro, ou todo o tipo de modernidades dispendiosas que todos crêem como indispensáveis e só podem aceder através de endividamento.

O direito ao trabalho ou o direito a ser escravo do empregador, sujeito às condições que a este mais lhe convêm de modo a obter o maior lucro?

O direito à liberdade de expressão ou o direito a falar todas as alarvidades impensadas que uma mente conturbada exprime através dum discurso impulsivo e irresponsável?

O direito a seguir uma religião ou o direito a se submeter ao jugo duma elite que nem sempre é muito clara nos seus propósitos?

O direito à justiça ou o direito a ser punido por uma lei feita pelos dominantes, com o fim último de proteger os interesses desses mesmos?

O direito à paz ou o direito de ser enviado para matar gente com quem nunca teve nada que ver na vida, senão o facto de serem outros escravizados como o próprio?

O direito à segurança ou o direito de viver vigiado e encarcerado no seu próprio quotidiano, como se dum assassino implacável se tratasse?

O direito à vida ou o direito de se arrastar numa ilusão de perseguir uma felicidade que nunca se chega a materializar definitiva?

O direito à saúde ou o direito de ser vítima dum sistema farmacêutico/hospitalar sem escrúpulos que não tem outro propósito senão o de rentabilizar os investimentos dos seus accionistas?

O direito à auto-afirmação ou o direito a espezinhar os outros em proveito dum orgulho ressabiado?

E muitos mais direitos a que todos se arrogam por viverem em democracia. Será?

8 comentários:

São disse...

Eu sei é que tenho direito a vir desejar-te o melhor do mundo neste dia teu.

O meu abraço de muitos parabéns.

Serginho Tavares disse...

Pois é meu amor, as pessoas querem seus direitos, mas eles chegam sobrecarregados de deveres!
Parabéns pelo texto e parabéns por tudo!
Beijos
Amo te

Paulo Braccini disse...

uma das mais sensatas e profundas análises sobre o Direito e a Liberdade ... sensacional ... com sua permissão, gostaria de postar esta sua percepção lá no enfim ... com todos os créditos ao autor e ao blog é claro ...

bjux

;-)

orlando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
orlando disse...

No dia exacto do teu aniversário produzes este texto impecável e importante sobre direitos humanos.
Levanta questões que nos inventivam a uma reflexão útil e construtiva.Obrigado!
E parabéns, amigo!
Orlando

Leika Horii disse...

Nossa!
Muito bom!

Lobo Cinzento disse...

Quando se tem muitos direitos, acaba se confundindo o que é realmente um direito, e o que parece ser...

Abração Mandrag!

Beth/Lilás disse...

Mandrag,
Seus textos estão se superando a cada dia, sinto prazer em vir aqui beber de suas palavras.
abraço carioca