terça-feira, 24 de agosto de 2010

DOS FRACOS NÃO REZA A HISTÓRIA

Setembro de 1957, Harry Harding High School, Charlotte, Carolina do Norte, Estados Unidos da América.

Ela é Dorothy Counts, 15 anos, a primeira jovem negra a frequentar uma escola para brancos nos Estados Unidos da América. Eles são os seus colegas brancos, escarnecendo-a e insultando-a. A esposa do líder do “Concelho dos Cidadãos Brancos” incitou os rapazes a impedirem-na de entrar na escola e às raparigas de lhe cuspirem em cima, dando assim início aos tumultos registados nas imagens.

Preconceito, ignorância, racismo, sexismo, desigualdade é tudo que se pode encontrar no comportamento desses energúmenos. Infelizmente ainda são sentimentos que condicionam o avanço da humanidade e o progresso das nossas sociedades.

Os molestadores não são nada além de um bando de idiotas e ficarão para sempre conhecidos como os tipos que foram desrespeitosos e grosseiros para com alguém importante. Ela ficou para a História como a jovem que enfrentou com coragem.

Após quatro dias de tormentos que ameaçavam a sua segurança e integridade física, os seus pais forçaram-na a abandonar a escola.

Dorothy Counts acompanhada pelo pai


6 comentários:

Serginho Tavares disse...

O mais triste é que coisas assim ainda existem no mundo de hoje. E não vejo por ai tantas Dorothys quanto antes. A juventude alienou-se.
Uma pena!

:/

Forte e importante post meu amor. Como sempre.
Obrigado.
Amo te.

Paulo Braccini disse...

os tempos de outrora os homens e mulheres eram mais guerreiros e não se acomodavam em rebanhos como nos dias de hoje ...

parabéns pela contextualização

bjux

;-)

Mari disse...

Meu Deus, quanto idiota alienado junto... E hoje, em pleno século 21, ainda há a mesma história.

Beth/Lilás disse...

Fotos de deixar a gente com vergonha pela ignorância do ser humano.
E que mocinha corajosa e inteligente!
Mas a raça negra nos USA deu a volta por cima e hoje vemos o homem mais poderoso do mundo lá, no alto da pirâmide.
O mundo dá muitas voltas!
abs cariocas

Clarice disse...

A boca sempre põe à mostra o que vai por dentro. O preconceito anda disfarçado, mas não desapareceu.
Abraços.

Thais disse...

Adimiro muito essa mulher